Fronteira Festival
Data do Fronteira Festival / date
PT | EN

Notícias


IV Fronteira Festival seleciona 26 filmes de 20 países para mostras competitivas

Publicado em 20/03/2018

Oito longas e 18 curtas-metragens integram a seleção; grande parte estreia no Brasil e na América Latina


O IV Fronteira Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental selecionou oito longas e 18 curtas-metragens de 20 países para suas duas mostras competitivas, a serem realizadas de 12 a 21 de abril de 2018, no Cinema Lumière do Banana Shopping, no Centro de Goiânia.

“A grande maioria dos filmes que tiveram suas premières mundiais nas últimas edições de festivais como FID Marseille, Locarno, Rotterdam e Berlinale fazem, no Fronteira, sua estreia no Brasil e na América Latina, situando o festival como espaço urgente do encontro com novas formas do fazer cinematográfico”, valoriza o programador e um dos diretores artísticos do Fronteira, o crítico de cinema Rafael Parrode. Além dele, realizaram a seleção das mostras competitivas os programadores Camila Margarida, Dalila Martins, Marcelo Ribeiro e Ricardo Roqueto.

Selecionados em competição mundial – A seleção demonstra a diversidade de formas do cinema contemporâneo, inclinando-se para o risco e a experimentação que emerge de visões singulares e expressivas ao redor do mundo. São filmes da China, Brasil, Itália, França, Colômbia, Palestina, Catar, Chile, Bélgica, Países Baixos, EUA, Filipinas, Espanha, Portugal, Áustria, Grécia, Japão, Alemanha, Finlândia e Dinamarca.

Longas-metragens – Retornam à mostra competitiva do IV Fronteira o norte-americano Chris Gude – melhor filme na primera edição do Fronteira (Mambo Cool, 2014) – e seu novo Mariana (2017); o realizador da Ceilândia, Adirley Queiroz, melhor diretor também na primeira edição, e seu Era Uma Vez Brasília (2017); e a realizadora kwuaitiana baseada nos EUA, Basma Al Sharif, que concorreu na segunda edição do festival com o curta O’Persecuted (2015), agora em seu primeiro longa, Ouroboros (2017).

Compõem ainda a seleção trabalhos como o do emblemático artista visual chinês Xu Bing, que realiza seu primeio longa com Os Olhos da Libélula (Dragonfly Eyes, 2017) e o novo filme da aclamada realizadora belga Annik Leroy, Tremor (2017). Completam a mostra competitiva de longas Eu Sou o Rio (2017), da dupla carioca Anne e Gabraz; o premiado filme da chilena Tiziana Panizza, Terra Solitária (Tierra Sola, 2017); e o italiano Eles Ainda Queimam (Esse Bruciano Ancora, 2017), da dupla Felice D’Agostino e Arturo Lovato.

Curtas-metragens – Os 18 curtas selecionados compõem três programas. No programa “Estados de Emergência” destacam-se filmes que expõem um desajuste e uma rebeldia diante do mundo destroçado em que vivemos. Filmes como Anti-Objetos (Anti-Objects, 2017), do realizador da etnia indígena norte-americana pechanga ho-chunk Sky Hopinka; Poço dos Desejos (Wishing Well, 2018), da artista alemã Sylvia Schedelbauer; Miragem Meus Putos (2017), do português Diogo Baldaia; Babilônia (Babylon, 2017), do filipino Keith Deligero; e o brasileiro Filme de Rua (2017), trabalho coletivo dirigido por Joanna Ladeira, Paula Kimo, Zi Reis, Ed Marte, Guilherme Fernandes e Daniel Carneiro.

“Paisagens da Memória” lida com inscrições e vestígios do mundo a partir de uma postura ética engajada diante da guerra e do fascismo instalados. Compõem o programa O Turista no Espelho (2018), novo filme do veterano realizador goiano Lourival Belém Jr.; Travessia (2017), da brasileira Safira Moreira; Armadilha (Decoy, 2017), da norte-americana Alee Peoples; Homem Negro sem Identificação (Hombre negro sin identificar, 2017), do espanhol Javier Extremera; Rosa (2018), do sírio baseado nos EUA Saif Alsaegh; Nu Dem (2017), da norte-americana Jennifer Spazadeh; e Rua dos Construtores 3 (3rd Builders’ Street, 2018), do alemão Pim Zwier.

“O Mundo que Falta” conclui a mostra buscando formas possíveis para representar um mundo que nos foi tirado, restituindo sua essência primordial. Serão exibidos neste programa Chamas (Polte, 2018), do realizador e preservador finlandês Sami Van Ingen; O 21° Dia (To Find the Day 21ST, 2017), da japonesa Kieko Ikehata; Frases Fantásticas (Phantasiezatse, 2017), do bósnio Dane Komljen; Mondo LXXV (2017), do realizador anapolino Rei Souza; A Pedra do Sol (Sunstone, 2018), da portuguesa Filipa César e do inglês Louis Henderson; e Terra Arrasada n.1 (Wasteland n.1, 2017), da norte-americana Jodie Mack.

Goianos desobedientes – Além das competitivas, mostras especiais não competitivas estão sendo programadas para esta edição. Uma delas é a Cadmo e o Dragão – mostra fixa dedicada a filmes desobedientes, de temas urgentes e atuais, produzidos em Goiás. “Esta mostra surge como o desenho de uma historiografia possível de um cinema experimental e inventivo produzido em nosso estado ao longo do tempo. Na busca por renovação, revelamos realizadores cujos olhares se destacam pelo frescor e rebeldia”, define Parrode.

Família S2 (2017), do falecido realizador João Henrique Pacheco, revela, com bom humor e montagem frenética, o avanço do conservadorismo a partir dos grupos de família no WhatsApp. O jovem Larry Sullivan abre sua câmera generosa e respeitosa na observação do universo particular de mulheres empoderadas da periferia em Kris Bronze (2018). Sr. Raposo (2018), de Daniel Nolasco, traz a sexualidade e o homoerotismo de forma livre e poética. O diretor Rafael de Almeida, em seu Wide awake (2018), faz um percurso crítico e poético do universo feminino a partir do found footage, técnica em que se realiza um filme montando materiais de arquivo. Estou na Cachoeira (2017), de Lucas Matheus, traz a simplicidade do gesto e a agudeza de um olhar sensível, trazendo, com o pretexto da banalidade, a história de escravidão negra em Goiás. Por fim, Diriti De Bdé Burê (2017), de Silvana Bellini, mostra-se como a aventura de se filmar o outro, propondo uma reconexão com a memória indígena pelo lugar revisitado em experiência e found footage.

Confira abaixo a lista dos selecionados:


IV FRONTEIRA  | Seleção Oficial – Mostras Competitivas


MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS METRAGENS

DRAGONFLY EYES / OS OLHOS DA LIBÉLULA | Direção: Xu Bing. China, 2017, 81 min. (Estreia no Brasil)

ERA UMA VEZ BRASÍLIA | Direção: Adirley Queirós. Brasil, 2017, 99 min.

ESSI BRUCIANO ANCORA / ELES AINDA QUEIMAM | Direção: Felice D’Agostino e Arturo Lovato. Itália/França, 2017, 93 min. (Estreia na América Latina)

EU SOU O RIO | Direção: Anne e Gabraz. Brasil, 2017, 78 min.

MARIANA | Direção: Chris Gude. Colômbia, 2017, 64 min. (Estreia no Brasil)

OUROBOROS |Direção: Basma Al Sharif. França/Palestina/Bélgica/Catar, 2017, 77 min. (Estreia no Brasil)

TIERRA SOLA / TERRA SOLITÁRIA | Direção: Tiziana Panizza. Chile, 2017, 107 min. (Estreia no Brasil)

TREMOR | Direção: Annik Leroy. Bélgica, 2017, 92 min. (Estreia na América Latina)

 

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS METRAGENS:

3rd BUILDERS’ STREET/ RUA DOS CONSTRUTORES N. 3 | Direção: Pim Zwier. Países Baixos, 2018, 13 min. (Estreia no Brasil)

ANTI-OBJECTS OR SPACE WITHOUT PATH OR BOUNDARY/ANTI OBJETOS, OU LUGAR SEM TRAJETO OU FRONTEIRA | Direção: Sky Hopinka. EUA, 2017, 13 min. (Estreia na América Latina)

BABYLON/BABILÔNIA | Direção: Keith Deligero. Filipinas, 2017, 20 min. (Estreia na América Latina)

DECOY/ARMADILHA | Direção: Alee Peoples. EUA, 2017, 10 min. (Estreia na América Latina)

FILME DE RUA | Direção: Joanna Ladeira, Paula Kimo, Zi Reis, Ed Marte, Guilherme Fernandes, Daniel Carneiro. Brasil, 2017, 24 min.

HOMBRE NEGRO SIN IDENTIFICAR/HOMEM NEGRO SEM IDENTIFICAÇÃO | Direção: Javier Extremera Rodríguez. Espanha, 2017, 16 min. (Estreia na América Latina)

MIRAGEM MEUS PUTOS | Direção: Diogo Baldaia. Portugal, 2017, 24 min. (Estreia na América Latina)

MONDO LXXV | Direção: Rei Souza. Brasil, 2017, 7min. (Estreia no Brasil)

NU DEM | Direção: Jennifer Saparzadeh. Áustria/EUA/Grécia, 2017, 9min. (Estreia na América Latina)

O TURISTA NO ESPELHO | Direção: Lourival Belém Jr. Brasil, 2018, 26 min.

PHANTASIESÄTZE/FRASES FANTÁSTICAS | Direção: Dane Komljen. Alemanha/Dinamarca, 2017, 17 min. (Estreia no Brasil)

POLTE/ CHAMA | Direção: Sami Van Ingen. Finlândia, 2018, 15 min. (Estreia na América Latina)

ROSA | Direção: Saif Alsaegh. EUA, 2018, 17 min. (Estreia Internacional)

SUNSTONE/PEDRA DO SOL | Direção: Filipa César e Louis Henderson. França/Portugal, 2018, 34 min. (Estreia na América Latina)

TO FIND THE DAY 21ST/O 21º DIA | Direção: Kieko Ikehata. Japão, 2017, 13 min. (Estreia na América Latina)

TRAVESSIA | Direção: Safira Moreira. Brasil, 2017, 5 min.

WASTELAND N. 1/TERRA ARRASADA N.1 | Direção: Jodie Mack. EUA, 2017, 4 min. (Estreia no Brasil)

WISHING WELL/POÇO DOS DESEJOS | Direção: Sylvia Schedelbauer. Alemanha, 2018, 13 min. (Estreia Internacional)

 

MOSTRA NÃO COMPETITIVA CADMO E O DRAGÃO

DIRITI DE BDÉ BURÊ | Direção: Silvana Belini. Brasil, 2017, 18 min. (Estreia Mundial)

ESTOU NA CACHOEIRA | Direção: Lucas Matheus da Silva Prado. Brasil, 2017, 21 min.

FAMÍLIA S2 | Direção: João Henrique Pacheco. Brasil, 2017, 6 min.

KRIS BRONZE | Direção: Larry Sullivan. Brasil, 2018, 23 min.

SR. RAPOSO | Direção: Daniel Nolasco. Brasil, 2018, 22 min.

WIDE AWAKE | Direção: Rafael de Almeida. Brasil, 2018, 7 min. (Estreia Mundial)